(Ao som de Summertime – Cida Moreira)

– Comece de novo!

– Por onde?

– Por dentro.

Ontem pensei em escrever sobre o subtítulo do meu site – “Pra não sumir de mim“, e eu me referia às ideias e inspirações (elas vem o tempo todo, como algo que eu devesse por pra fora, e o mais engraçado é que sempre senti isso, mas deixava a ideia passar. Hoje, não deixo mais. Ainda não entendo o porque), e tem sido pra mim momentos especiais os que eu discorro com a minha sensibilidade. Momentos únicos e novos.

Sobre o que é novo e vem vindo pra minha vida, ando muito contente. Cada dia mais aberto e tentando me preparar para as novidades… porém: feliz/animado/ansioso/curioso.

A dama indigna. Completo. Hoje é sábado. Há uma felicidade sem tamanho, vindo do fundo da minha alma e gritando pela minha laringe sem precisar soar som.

Os dias tem sido longos. Às vezes me pego pensando no meu presente – tem sido um esforço extra e necessário pensar no agora e não no passado ou futuro. Eu disse há uns dias, que venho admirando o meio do caminho, pois antes só via o início e o fim.

(E sinto uma paz por isto, como se pelo menos uma coisinha eu tivesse acertado.)

E o meu presente, é resultado de um passado onde sonhei estar onde estou. Sem idealizar, apenas me projetando num espaço e tempo assim. Tendo as experiências que estou tendo – e acreditem, todas as minhas manhãs eu tenho um sentimento de peito preenchido, de sonhos engatilhados, de gratidão eterna e plena, tem sido maravilhoso.

Ouvi inumeras vezes sobre a importância de se conectar com o agora e aproveita-lo: dizem que nosso presente, será um dia nossa saudade, e como prova viva confirmo isto. Mesmo sendo pouco saudosista – apenas admiro o que passou, por me ajudar no presente.

A dama indigna terá novas diretrizes. Os tempos são outros.

Sei que em pouco dias, discorri sobre muitas coisas parecidas e distintas ao mesmo tempo. Mas o mais curioso é como tudo se transforma.

O que se move?

Tudo.

E como se move?

Acho que a fase agora é outra. Literalmente. Assim como em Rudolf Laban. O universo conversa entre si, e mais uma vez penso em como as coisas chegam até nós. (E só chega o que tem que chegar, na hora que tem que chegar.)

Terei outra experiência de multi sentidos aguçados. Tem sido um estudo, necessário. Estou pronto mais uma vez.

Igor Florim