Hoje o sol se abriu… vim lembrando de uma outra história e me vi completamente distante dos lugares que eu conhecia.

Só agora (com o sol chegando), meu corpo voltou a sentir lembranças de caminhos percorridos e me preenchi do que já não parecia (por esquecimento do que a cabeça pensa) fazer parte de mim.

Notando durante os últimos dias que eu só queria o que a alma deseja – ganhando uma pressa de viver.

Este foi um novo momento imóvel da minha vida. De agora em diante eu só pensava em re-conhecer as coisas… deixei tudo passar (rápido demais) e solto, já chegava a nova aurora.

Nunca se acabou.

Este foi um momento imóvel.

1822.

Igor Florim