“A breve introdução ao conto do nó na garganta”

Era o que prometiam as notícias daquela tarde. Além de todo o silêncio acumulado há anos…

Estocado feito o pó de um quarto fechado por muito tempo

Longe demais dos lugares que são meus… resolvi por estas ocasiões (que só me enchiam de vigor), ir mais longe ainda e superar então o máximo do afastamento

Desconexão pura

Quando eu nasci eu tinha um outro tipo de memória, que com alguns meses de idade eu percebi que deveria solta-la para ir além… e começar a pensar diferente

Foi nesta mesma infância que vi uma luz muito forte e sinais muito claros e diretos de vários meios sobre várias coisas

Descobri uma por uma quais eram as coisas que já eram minhas desde sempre… e nascemos com tudo que é nosso, o problema é se lembrar de todos os detalhes

Existem coisas que lembramos desde muito cedo enquanto outras, muito tempo depois. A sua lucidez sempre terá um preço… um preço que você pode pagar e receber o que é seu em troca, ou ignorar… fechar os olhos… e viver na escura caverna da sua vida na terra

Mas não se apresse

Acordei um pouco mais cedo que o despertador, como de costume

De fato eu não faço isso por opção, mas se meu corpo resolveu acordar, que se acorde

Abrindo bem os olhos

Hoje acordei, fui ao banheiro e quando voltei pra cama, abri toda a janela. Eram 5h50 e alguma coisa. No céu eu vi quase como um mundo nascendo

Tudo novo

Sentei na minha cama e respirei tão profundo… demorei alguns anos até entender que eu moro na cidade que eu quando mais novo de idade, sonhava em conhecer e explorar

E ainda frequento velhos teatros

Cantando política quando eu falo

Me perdoei profundamente. Não tem preço respeitar quem sou. Toda a minha história por estes planetas densos deste e de outros céus

Como uma poesia

Que nasce, com pessoas se espalha até que de tão afastada da fala, morre

Pra hoje nascer mais forte

Fiquei olhando pro céu daquele novo dia por algum tempo. Peguei todo ele na minha mão (me refiro ao tempo) e passei em diante, cuidando pra que nunca falte

Li uma linda carta

“Me despeço. Obrigado pela existência de um belo e breve momento. Voe com muita força. Te liberto com muito carinho pra você também voar.”

Foi a coisa mais linda que tão sem esperança um dia disseram

Tem gente que vai morrer sem tentar

E tem quem só faz se for pra lavar a alma e mergulhar profundo. Encontrando outras histórias. O tempo passou voando (como sempre faz) mas agora passou diferente

Andou pra trás, deu força ao invés de consumi-la. Me tornou um novo homem, que de tão novo, resolveu excluir o fardo da palavra homem… pra ele, palavra nenhuma carrega tanto poder

Todos os olhos mirando em sua direção

Soube ler todos, um por um

Aprendeu a finalmente confiar plenamente na sua intuição. Seu tempo rendeu como nunca antes. Moveu o mundo quando deu um só passo…

Não tem armadilha grande o bastante para estes índigos de olhos bem abertos

Se lembrou de todos os seus poderes

E não teve dúvidas do que usar e quando usar

Finalmente voltou a ser quem sempre foi

Se amando

Profundamente.

Igor Florim