Um dia desses eu me comprometi com várias coisas. Agenda lotada. Deu até saudade do domingo quieto e chuvoso. Eu não parei um minuto.

E no final do dia, havia subido numa montanha. Finalmente cheguei lá no alto e nem pensei em como descer. Achei uma porta.

Abrindo novos caminhos

Ficaram chocados comigo mas eu abri a porta mesmo assim e só entrei. Liguei a lanterna do celular e fui seguindo… sempre em frente.

Nunca vi um lugar assim

Muitas pessoas já passaram por aqui. Dormiram… cresceram… sumiram de alguém… e por onde eu olhava, entendia novas histórias daquele lugar.

Contadas de trás para frente

Pensei que fosse tarde demais pra tudo isso. E me relaxa saber que eu estava errado. Terminei de olhar tudo e sai pra ver o que tinha no topo da montanha.

Mas encontrei o que não havia

Me deixaram lá. Já era um pouco tarde. Respirei uma vez e segui em frente pra olhar novas coisas… tentando superar brevemente. Já passei por isso antes.

Mas machuca sempre no mesmo lugar

Lá no alto. Uma noite bem escura. Ao longe consigo ver três cidades… cada uma com sua luz própria. Com sua distância e nomes diferentes. Morei nelas desde que nasci.

Mas daqui de cima vejo pela primeira vez

Tudo o que eu precisava era de um novo ângulo. E encontrei… estou vendo tudo bem distânte agora. Lendo outras coisas que nunca entendi direito.

Voei

Era o que eu nunca havia feito ainda. Realmente não acreditei. Eu sai voando realmente… pensei que pudesse sem querer, cair. Mas precisei vir aqui no alto pra entender que não há quedas.

Todos os meios são meus meios

Inclusive os que são de voar… para estes, crio minhas asas em segundos e voo sem desistir. Sigo pairando. Nunca estive antes, tão leve assim.

Resolvi não pousar. Quem quiser falar comigo, olhe pra cima. Grite bem alto. Não tem erro. E os que me abandonaram… perderam a ocasião de aprender a voar junto comigo.

Fui mesmo assim.

Foi por pouco, mas fui.

Igor Florim