Mudam-se os contos

Certo dia, após anos presos em mentiras, lendas e todo tipo de não evolução, uma cidade inteira resolveu se movimentar

Organizadamente, arrumaram os problemas urbanos de limpeza, bem estar e rapidamente a segurança pública também se resolveu

Tudo parecia prosperar. Empregos distribuídos, rendas subindo e junto toda a educação financeira de todas aquelas famílias se avantajaram

Voando alto

Aos poucos foram indo passear em outras cidades e voltavam doentes, vítimas de roubos e sempre perplexos com tamanha pequenez

Esqueceram que o resto do mundo não era da mesma cidade que eles e portanto, não se atualizaram para melhorar quem são e como são

Se ilharam

E logo debateram a necessidade de se expandir pro mundo com seus avanços pautados no diálogo e consolidados em avanços urbanos

Falavam de política

E rapidamente se tornaram todos políticos. Era incrível esta habilidade de se projetar e ver as mudanças chegarem no presente

Mas nunca antes foi assim

Nas excursões para outras cidades próximas, foram agredidos e expulsos aos gritos que pediam pela queimada dos futuristas intrusos

Foi difícil para eles aceitar que o mundo todo tinha seu ritmo próprio, assim com eles também tinham. Refletiram, pensaram…

E resolveram se ilhar novamente

Mas deixar todas as portas bem abertas. Quem sabe um dia, alguém se aproxime para aprender junto e prosperar demais lugares do mundo

Tudo no seu tempo

Cada um no seu lugar

Com seus próprios desafios

E sem intromissões.

Quando respeitaram a ignorância e o saber do mundo, todo o mundo também prosperou. Sem interferências sagradas e ocultistas

Respeitaram uns aos outros

Foi tipo um milagre

Ou uma politicagem bem elaborada

Não importa. Deu certo.

Igor Florim