Um dia o mundo parecia despencar

E no meio de tanta liberdade

Um fluxo de ondas tomaram conta de todas as planícies. Contam pelos cantos do mundo que tudo isso era necessário para seguirmos em frente

Águas em mim

Escorrendo coisas

Após vazios pessoais

O mundo era uma grande rede de consciências. Já nasceram os que pensam em todo o mundo

E vieram para quebrar grandes muros

Todos em mim

Para neste mundo escolher vivenciar quase tudo – e foram muitas

As coisas

Tudo não parou de encher. No pouco que sobrou, olhavam com atenção para tentar seguir em frente. Mas era bem difícil recomeçar por esses dias. Talvez eu precise de mais tempo

Afundando

A água não parou de subir. Algumas ilhas permanecem ancoradas nos oceanos enquanto outras foram embora já faz um bom tempo

Ninguém sabe se tudo vai voltar a ser como antes

Talvez não precise voltar. Mas fiquemos calmos, ainda vamos encontrar uma solução para tudo. Mas não tudo por agora. Os dias só existem para essas vivências acontecerem, portanto, deixe que aconteça

As soluções do agora

Contam por ai que o mundo acabou

Desta vez em águas profundas

Ninguém mais sabe o que existe em baixo dos oceanos que precisa de tanto espaço assim para navegar. Agora quase não há terra

Salve-se quem puder

No dia em que os oceanos resolverem subir todas as montanhas dos antigos continentes, talvez seja o momento de partir para as estrelas

Mas até lá

Sigo caído dos céus

Por algum lugar que ainda me resta. Não mencionei, mas não me restam por agora muitos lugares para ir. Nem sempre foi assim, então tento me acalmar com a lembrança de um passado. Encontro às vezes antigos lugares que me acolhe mas em outros dias, ninguém quer saber se eu preciso de abrigo

Por isso me dedico a cada vez mais procurar todas as soluções dentro de mim

Mas desapegado deste tempo

No presente instante

Indo nos lugares que me resta. Nada além. Acho que é o mundo a me dizer

Quem sabe um dia eu escreva a música mais linda que ele já ouviu. Talvez esse seja o dia que ele venha me encontrar. Um outro também caído aqui nessas terras

Quando percebi que estava esperando tempo demais, fui correndo para as águas. Mergulhei como quem sempre mergulhou na vida. Fui tentando respirar lá em baixo mas quase morri tentando

Que bom que não parei de tentar

Foi assim que eu não morri. Se tem algo que eu não quero é morrer. Só quando for pra morrer, até lá, espero ter todo o tempo do mundo

E que tudo continue passando bem lentamente

Aqui em baixo não faz barulho

E tudo se move devagar

Fui indo mais para o fundo e foi o caminho mais lindo que eu já vivi na minha vida. Acho que sem querer acabei encontrando novos lugares aqui em baixo. Esses lugares são os meus lugares

Todos por aqui já me conhecem

Nunca mais fui um estranho

E fortemente entendi o quanto eu

Me

Amo.

Usei a minha energia para navegar

Altas leguás submarinas

Tudo novo

Agora entendo o que quem vive aqui em baixo tanto precisa para viver: espaço para navegar

Comecei a entender outras coisas

A ideia cresceu tanto que eu nunca mais parei de tantar

Estamos construindo enormes planos de subir as montanhas e finalmente sermos livres. As águas existem e se movem pelos céus como nunca antes

Transformações lentas

Porém

Sólidas

Me tornei a pessoa mais forte do mundo

Só por ser eu mesmo.

Nesse dia tudo mudou.

Quero viver pra sempre.

Igor Florim