O falso amor talvez nunca me conheça de verdade

Embora tenha partido tarde demais

Conversas finalizadas pela ausência de palavras… buscas intermináveis por expressões mais fortes

Foi assim que tudo se esgotou

Usamos de todas as armas para afundar o sonho um do outro

Como um adulto que ri de uma criança que insiste em verbalizar seus sonhos – talvez um homem grande à dê asas um dia (foi quando eu resolvi ser um grande homem que conseguisse ser o oposto disso)

E perdi a mão na nossa última troca de expressão

Saltei com meus dedos bem no meio de sua vergonha e a expus pro mundo

Na ausência de falas este foi o modo que eu consegui para que alguma coisa soasse

E estalou profundamente

Todos olharam pro seu rosto

Humilhado

Dois amantes esperando a próxima oportunidade para atacarem tudo aquilo que são

Se machucando profundamente

Caíram no colo um do outro

Gêmeos – que de tão parecidos nada mais tem para trocar entre si

Esvaziaram os dias das risadas sem fim

As tardes descobrindo o mundo terminaram ontem

Finalizamos também todo o amor que saltavam nossos olhos

E nunca mais respiraríamos juntos

Te vi partir como vi poucas pessoas nesta minha vida e fui saboreando seu movimento de despedida

Concluímos nossos furacões internos. Demos vazão em tudo o que lembramos de por pra fora e talvez este foi o dia em que chegamos mais perto de um despertar total – quando não trouxemos mais nada dentro de nós

Agora é a vida recomeçando que vem a me dizer:

Quem sabe um dia o amor seja como num filme

Cada passo me trazia novas considerações sobre tudo o que vivo

E sinceramente, te esqueci logo, tudo foi finalizando

Guerras de verdade deixam marcas profundas até que tudo seja limpo

Num armistício verbal

Já não temos mais nada para dizer

Te vi partir

E foi o pôr do sol mais libertador dos últimos tempos

Resta agora uma noite muito longa

E eu sei o que vou nela encontrar.

Igor Florim