E se tu pensa em mim, com certeza escuto o teu pensar

Indagando sumiços

Por onde ele andarás

Três horas da manhã. Acordei após uma difícil perseguição estelar

E mesmo sabendo que sonhava, esbugalhei os olhos e quase nada movi

Tudo era gelado. Frio. Minha casa parecia congelar pelas paredes

Cobertores me alertando da frente fria existente dentro meu lar mas pouco puderam fazer por mim

Luzes sombrias da noite que ilustram meu primeiro respirar acordado

E o teto se faz como tela em óleo pintando escuridões que resolveram entrar por esta janela

Vejo grandes lagartos subindo pelas paredes. No sonho olhei bem dentro dos olhos deles e afirmei que deveriam sair do meu caminho para sempre

E a minha língua saltou para fora da boca

Agora sem falar, gesticulei com os lábios e apontei com meus dedos

Bem no meio do rosto daqueles répteis

Libertem aqueles que amo!

Mas o pedido necessitava vir diretamente destes que amo e não de mim que falo

Então me libertei próprio

Solo

E eles nunca deixaram viver em paz os que eu amo

Tudo para que eu parasse de amar

Estes fracos com o mundo, não conseguiriam transpassar em momento algum

Ficando para trás

Porém os dedos que aponto ou os lábios que gesticulo, no chão também caíram

Outras partes do meu corpo foram se soltando em consequência disso tudo

E me libertei de vez

Quando notei que assim eu conseguia voar ainda mais rápido, fui voando

E ninguém me pegou depois desta noite

3 anos de idade

Nunca mais parei de voar veloz e fugir sagaz

Mas essa madrugada não seria como as outras

Prossegui com o meu observar das sombras

Eles estão aqui

Aqueles que me perseguem durante o sono estão aqui

Todos do seu lado. Quem te persegue nos seus sonhos vive colado em ti, acompanhando sua quase vida. Afinal, é importante demais a missão deles de nunca te deixar despertar

Nos traços da noite encontrei algumas expressões cansadas e ancestrais

E mesmo em corpo físico, fui enfrenta-los com muita força

Saí da cama

Dei um passo e o mundo aqui de dentro mudou por completo

Acho que minha força é tão a oposição de qualquer medo ou limitação que acabei os chocando. Ninguém esperava que um encarnado que foge nos sonhos há anos, se libertasse de tudo mesmo estando na ilusão da vida (vida que só se faz quando não estamos mais sonhando)

Eles despencaram no chão. Espatifados de medo

Os lagartos perderam

Agora faz calor por aqui

Viraram lagartixas em busca de uma performance fugaz e brilhante

Abri mais ainda a janela, acendi a luz e eles partiram para sempre

Ascendi

E quem sabe o que virá depois?

Dei outro passo e agora quem mudou de vez foi o mundo de fora

Este foi o verdadeiro fim do mundo

Mas todo fim é também recomeço

E nisso comecei a receber conselhos ancestrais

Tão diferentes dos que eu antes assim denominava

E dizia:

Já é tarde meu amor

Aqueles que precisavam partir, já partiram

E aos que ficam ao teu lado daqui em diante, um afago apertado e muita libertinagem não sexual para estreitar relações terrenas

Mas nunca se esqueça daqueles que partiram

Seja os que você muito ama e que agora voam para bem longe

(E você com suas asas, sabe que conseguirá ir além e visita-los se quiser)

Ou os obscuros ex visitantes, que se foram por medo

Medo muito superior de todo o mau que causavam por aqui

Nunca os esqueça

As estrelas estão libertas

E todos aqueles que se destrancaram das jaulas, se libertam por igual

Acrescentando brilho ao céu

Iluminando corpos celestes

Esta é a história da criação.

Igor Florim