As pessoas daqui.

Por que as paredes desta casa insistem em ficar assim

Transpirando

Suores gelados alertam para invasões perigosas neste abrigo

Que de pedra e concreto se transformou nessa fortaleza toda

Com seus azulejos reluzentes em brilho ecoando falas reprimidas

As pessoas daqui se prenderam bem dentro, por opção

Desistiram do contato com o mundo exterior

O dinheiro traz essas coisas

Separações em massa

As pessoas daqui temem por uma aproximação e com isso nunca se aproximam umas das outras

É preciso escrever uma carta ou enviar um áudio virtual para alcançarem seus irmãos

E mesmo assim continuam afastadas

Suando o bastante para federem muito e se afastarem demais

Essa casa esconde muita coisa

Começo procurando pequenas saídas na expectativa de transpassar

Porém o que vou encontrando são esconderijos complexos que não tiram ninguém deste lugar

Como se ninguém realmente precisasse sair

Só ficar

Os esconderijos existem aos montes dentro desse casarão

E apenas servem de abrigo, cova ou morte precoce

O medo traz essas coisas

Estou com fome

Vim jantar mas ninguém frequenta a cozinha há muito tempo

Quando eu abri a torneira para lavar minhas mãos (devido ao pó dos esconderijos que encontrei) saiu uma água turva e densa

Inibindo minhas mãos das sensações mais primárias deste corpo

Estão armando contra mim

Acham que sou um risco pra defesa desta nação

E já que não consegui comer nada, resolvo dormir escondido

As pessoas daqui me oferecem riscos que não estou disposto à enfrentar

Encontrei um túnel calmo e tranquilo

Consigo me esticar por aqui com muita sagacidade

Apaguei

Sono profundo

Escuro sonhar

Avisto de longe algumas tochas e florestas imponentes

Querem queimar tudo

Justo agora que resolvi subir em uma árvore para descansar

É engraçado como somos a mesma coisa acordados ou não

Com necessidades iguais e imutáveis

Mas nem sonho eu consegui transpassar

Este lugar prende pessoas

O fogo começa a subir

Quando olhei para baixo, vi o tronco em brasa e queimei os cílios dos olhos

Subia uma quentura de acordar demônios e os fazer correr pra longe

Minha única saída era subir mais ainda

Escalando

A árvore chora

Sua seiva escoe na expectativa de conter este calor todo

A árvore assim como todos os vegetais apenas sonha

E não sente nada

Enquanto os minerais apenas dormem

E não sonham nada

Eu me uni à este ser. Eu e a mais imponente árvore que avistei aqui nesse plano

Queimando lentamente a nossa essência

Ela me tranquilizou

No tronco que me deito enquanto espero o fogo subir, sinto energias úmidas e geladas

A árvore de tão magnífica e forte, tenta me afagar

Lançando toda a energia que ainda lhe resta

Sugando por suas longas raízes toda a história dos milênios em que ela e todas as suas irmãs se deslocaram mesmo ramificadas em terra firme

Elas andam com suas raízes

Num tempo em que para nós soa como uma eternidade

Mas para ela, a vida é outra coisa

E agora que somos um só, se eu sobrevivo, ela também continuará viva

Por isso sua missão de me acalentar tão avidamente

Ela está caindo

Seu tronco em brasa rompeu a conexão das raízes com os troncos e com isso

Trincou

Ela está no chão

É a minha oportunidade de fugir

Me sinto forte

Faz muito tempo que eu não me sinto como um vegetal vivo

Ganhei essa força, essa coisa mágica

Somos um só

Ela sobreviveu em mim

De longe, notei que os homens das tochas agora que queimaram o mundo todo, estão iniciando a construção da casa

Querem por um forte abrigo aqui em cima

As raízes todas que ainda estarão em baixo, oferecem um manto térmico entrelaçado para inimigo nenhum entrar por baixo

Eles pensaram em tudo

Pronto. O castelo se ergueu à custa de muitas vidas

As pessoas daqui fizeram tudo errado

Acordei

Haviam uns sete ao meu redor

Olhando pro meu corpo que dormia

Paralisia do sono

Continuei observando, do lado do meu corpo

Tramavam coisas contra mim

Acho que a vida tem dessas coisas

As pessoas daqui são reféns deste medo todo

E só o que sabem é progredir com essas sensações densas

Voltei pro meu corpo e foram se esconder

Pelo visto será difícil a nossa comunicação mas aquela árvore me ensinou grandes coisas

Este é o milagre em se viver milênios como ela viveu

A árvore conhece esse lugar muito mais do que essa terrível casa ou os vazios moradores dela

Que já nem se lembram do mundo lá fora

Os minerais que só dormiam, agora são essas paredes

Azulejos

Piso frio

E tudo fechado à vacuo

Me sinto ramificado

Vou falar com todos eles desta casa. Eles vão ter que me ouvir.

Igor Florim