Parecia que o dia não acabaria

Fiquei inundado nos ponteiros do relógio

Esperando a vida caminhar um pouco

E tudo parado

Até o relógio estava se negando à seguir em frente

Tomei alguns copos d’água

Aquele líquido escoava

Era um tsunami em miniatura

Tudo dentro de mim

Já se faz um bom tempo desde aquelas ondas

Na praia esperando o mar chegar

A maré sempre sobe o bastante para me atingir

E fico lá

Boiando

Sendo levado pelas ondas

E quando durmo nessas ondas, sonho com o fundo do mar

Como se nele já vivi

Vagando altas léguas submarinas

E explorando o universo atmosférico dos oceanos

Não te encontro há dias

Mas antes de entrar no mar

Olhávamos um pro outro e nada era dito

As noites na Rua dos Mariscos

Tudo escuro

Todos dentro de suas casas

Não soltei sua mão. E você ainda me olhava

A rua era larga e longa

Fazia uma curva

As árvores tampavam a luz dos postes e só a lua clareava o meio da rua

Andando exatamente lá

Naquele traço sagrado

No trajeto encantado

Você e eu

Soltei sua mão e saí correndo para a praia

Fiz você ir atrás de mim

Entenda que não tem essa de preguiça, marujo. Ou você navega comigo ou te levarei com todo o meu amor

Esperamos o nascer do sol

Passou rápido

Paramos de olhar um pro outro. O céu mostrava novas coisas

Mas não deixamos de nos ouvir um só segundo

Falamos de tudo

Aquela casa é linda. Quero voltar sempre pra cá. Não parece que é a primeira vez que eu venho

Acho que sempre que eu sonho, é aqui que estou

Ou quando eu morrer é aqui que irei procurar

Olhando pra esse céu

Sentindo o sal do mar

Com as costas na areia fresca que me faz sentir o quanto é forte esse encontro dos mundos

O céu

E a terra com as suas águas

O condomínio é um recanto. Pequeno. Menos de dez casas. No momento só estamos nós e a piscina que tem uma parte na sombra das árvores mais antigas dessa praia

Saquarema é um achado no mar

Um dia chegarei navegando

Tristão da Cunha não deve ser muito longe

Venho com uns peixes para ancorar numa longa temporada por aqui

Minha casa será de barro

Com muitas pedras velhas da minha família

Não sei em qual dos mundos preciso ficar e até descobrir…

Não quero mais sair daqui

Ouvindo sua voz chamando o nascimento do sol

Parece até que ele nunca nasceu

De tão inédito

Mas por dentro

Borbulha há anos

Efervescendo altas temperaturas

Por pouco que não explode

E nisso tanta coisa acontece

Foi assim que saudamos essa estrela

E que bom que você correu atrás de mim

A Rua dos Mariscos seduz

Mas o mar atrai muito mais

Altos encantos nessa noite

E voltamos aos prantos de tão felizes

Cantando os cânticos do oceano

Em Saquarema

Esperando o canto de uma sereia

Que nunca me arrastou pra longe

Mas me trouxe àquele lugar

Quando eu ali ancorar

Trarei flores e alguns vinhos do Porto

Os Marroquinos e suas flores…

Surpreendem o mundo inteiro nos tempos que estão por vir

Ficaremos nessa casa o ano todo. Esqueçam de mim até lá

Eu sou um pouco repentino mas juro que navego muito bem

E o meu navio é o lugar ideal para nós dois

É pra Saquarema que eu vou

Sempre que eu me sentir assim

E já que você resolveu vir junto

Não temos mais tempo para perder

Se perguntarem eu sumi

Mas saibam que estou em Itaúna

A praia mais linda de todo o Brasil

Tinha que ser no Rio de Janeiro.

Igor Florim