O mundo antigo parecia ser o modo comum à se pensar

Como se nada dos costumes contemporâneos fizesse sentido

Sem preocupações vãs

Missões importavam muito mais

Por dentro, éramos deusas

Só por conhecer a magia

E toda magia é feminina

Vem da essência do sagrado

E lá estava o Xamã… com todas as suas conexões

Ele enxergava a vida

E só quem é Xamã enxerga assim

Olha distante

E fala seriamente com todos os lugares e seres

Ele é uma águia

Dona da floresta

Sabe de tudo

Certo dia, começaram a ensinar pelos lugares deste mundo, o caminho ao Xamânismo ancestral das matas

Da cura de dentro pra fora

Dos ritos primários deste mundo, trazidos de outro lugar

Pairando

A águia observa lá do alto

E o que ela vê é tudo e todos, como em uma engenharia detalhada

Ela segura essa teia

E continua voando alto

Tocou meu rosto

Ele entrou dentro de mim

Ele…

Sou eu

Sim. Foi como se eu conhecesse outro e de dentro dele me encontrasse

Sempre fomos o mesmo

Todos ao meu redor começaram a notar essas coisas

Parece que a gente é quase essa deusa toda

Xamânica

Rainha de todos os lugares

Por ter aprendido a se encontrar sozinha

E dominar o mundo inteiro

Em tempos futuros ela iria pra fogueira

Matem essa bruxa

Humilhem ela mas bem longe daqui

Porém não contem comigo para entrega-la aos caçadores

Ninguém daqui vai te ajudar com nada disso

E se você insistir, eu mesmo é quem te caço

As mulheres dominaram o mundo

Tinham muito pra ensinar

E levei o segundo toque

No meu peito

Reme para frente, marinheiro!

E eu e todos os meus amigos exaustos ainda remávamos

Incessantemente

Reme para frente, marinheiro! Não pare!!!

Trocamos o turno e fomos tomar um ar

Revezamento geracional

Todos abandonando os seus cargos

Ninguém mais dá ouvidos para o velho, sinto em lhe informar

Mas aos que sempre serão jovens, desde os anos 50 aprenderam coisas importantes para nos passar

E seguimos de ouvidos bem abertos

Mas o velho que deixou de viver não faz mais parte deste mundo

Aquela risada

Lembrando dos dons que minha filha te deu

A dupla mais maravilhosa de Roma

Tambores no meu ouvido

Querem me contar os segredos antigos

Trouxe até papel para anotar

As coisas das estrelas

Dos mundos de onde viemos

Querem me assim: sorrindo

E vivendo um dia de cada vez

Para entender o movimento dos astros

E a platéia inteira aplaudia as estrelas da noite, na floresta antiga – minha filha!

Ela e o Bom Xamã

Parece que acordei de um sonho profundo.

Estou vendo.

Igor Florim