Algumas pessoas notaram o quanto há a solidão dentro de mim

Porém essas tentativas sentimentais de explorar o que eu sinto, ainda mantém tudo lá – por pura sintonia

E não me queixo do que escolho sentir

O dia termina

O sol e seus últimos raios

Entregando aos céus um breve instante terracota

É o momento dos amores passados

Do cansaço para iniciar novas paixões

E do fechamento desta janela

Para não entrar mosquitos

Me afastei tanto dos outros que verdadeiramente me encontrei

Talvez por não olhar pra mais ninguém além de mim

Busquei rituais sagrados dos antigos destas terras brasileiras

Cacei ao léu novas companhias

E continuei solo

Parece que a vida tem seus caminhos tortos para ensinar coisas sólidas

Não querem que eu ame outra vez

Então, seguirei sem amar

O dia já se afastou ainda mais de mim

Sinto agora a escuridão da noite que se aproxima

O silêncio desta casa

A ausência dos tantos medos que no passado eu tive

E o entendimento dos tempos que nos rodeiam

Como as núvens

Indo

Parece que nada mais retornará

Foi um convite dos céus para eu soltar tudo

Todas as coisas que me agarrei

Todas as pessoas que insisti

Amei muito

Então que este amor apenas me transpasse

Entende por que sigo sozinho?

Não restou mais ninguém

Foram os céus limpando meu horizonte

Me guiando para a aurora seguinte à esta noite

O meu próprio auto respeitar

Sagrado

Natural

Solo

Da última vez que senti esse buraco todo, olhei para o alto e solicitei o meu amor

Disse todos os detalhes que eu queria

Tudo impresso na carne e na alma

Dias depois lá estava ele…

O amor

Foi uma linda surpresa

Com dezessete anos iniciei um amar que duraria até os vinte

E não sei dizer quantos anos depois disso eu ainda conviveria com vestígios românticos do que criamos juntos

Fui empurrando tudo para fora da janela

Pois aquele amor que me transformou tanto, também me matava

Aos vinte, ainda amando, gritei para que ele partisse

Eu estava todo quebrado

Quase morri de amor

Empurrei tudo para fora de mim e agora o que vejo é este céu

Esse crepúsculo todo

A noite caindo

E o silêncio de tudo e todos

Resolvi não mais olhar para o alto e solicitar um novo amor…

Não quero dizer detalhe algum do que eu gostaria ou não encontrar nessa próxima pessoa

Pois esse tipo de coisa acontece

E quero permanecer assim

Quieto

Solo

Esperando o momento que uma surpresa caia dos céus

Para me mostrar o quanto tudo acontece no tempo certo

Até lá, quase não me recordo dessas coisas que eu vivi

Os toques

A confiança

O respeito

Éramos parceiros num mundo sem parcerias

Enfrentando tudo

Mas não resistimos para sempre

A bem da verdade, nunca almejei nada que durasse tanto

Até eu mesmo um dia irei partir

Quero partir bem velho, mas quando eu for, procurarei por energias mais sutis

Preciso me fortalecer de tudo o que um dia eu já fui

Visitar outras estrelas

Rever velhos amigos

Até que este dia chegue, juro aos céus que não irei solicitar mais ninguém

Ele já me disse tudo. Um alguém virá

E espero não estar de costas para esse encontro

Olhar bem dentro dos seus olhos

Perguntar se ele esteve bem enquanto não me encontrava

Pois daquele momento em diante, eu faria tudo ficar seguro

Para nós

Segurando na minha mão

Te levando para conhecer os meus lugares aqui deste mundo

E rindo ao teu lado

Hoje guardo essas risadas para um outro lugar

Deixando de sentir amores para só então nesse dia, outra vez sentir

Até lá eu sou solo

Como o crepúsculo

Que antes de partir me alertou que alguém estava vindo

De bem longe

Só pra me encontrar

Cuidarei de mim

Se é pra ser sozinho, que seja

Enquanto dure

Eu me amo.

Até esse dia chegar, se ame também.

Igor Florim