Talvez um dia tu se lembre do meu nome

E comece o seu dia murmurando baixinho algo que nos fazia sorrir

Será que tu ainda é o mesmo?

Sinto até vergonha quando lembro de ti, talvez por tudo ter acabado – nunca mais te vi chegando, não olhei mais dentro dos seus olhos quando tu cantava e também já praticamente esqueci do seu toque e de como tudo em mim arrepiava quando sentia você

Tudo isso quase não existe mais

Nenhuma pista no universo inteiro sobre o amor que foi nós dois

Um dia tu pediu pra eu ficar

E sabe que eu não exitei em partir. Mesmo te contando os meus motivos, te pedindo compreensão e dizendo que era a hora da separação

Nos tempos seguintes ao último abraço, na rua que há perto de sua casa, tu me lembrava do quando eu chorava e dizia que te amava, mesmo falando que iria embora

A minha missão estava um pouco longe

Tu não cogitou vir me visitar às vezes

Ou aguardar minhas visitas

Não me deu outras escolhas

Machucamos um ao outro

E acho que os anos de pura companhia não conseguiram se fazer mais relevantes do que a despedida

Talvez no meu sonho mais profundo tu me apresentava aos seus pais, andava pela cidade segurando a minha mão e se libertando comigo

Eu iria te defender, tu só precisava ter coragem

Mas esse tipo de coisa nunca acontecera

A minha partida foi calculada

Eu não existiria se não fosse para longe

Toda a vida que existia em mim era também morte, atrofiando meus sonhos, estagnando meus passos e me nutrindo apenas de ti

Esses anos passaram como o vento e hoje quando tento resgatar alguma lembrança, só vejo a silhueta do seu corpo me dizendo:

Oi meu amor, hoje eu vim dormir contigo

Naqueles dias em que só você possuía a fórmula da minha paz

Falávamos sobre tudo

Nossos dias intensos, irritações no trabalho, passeávamos no meio da noite ainda antes de dormir, indo jantar nossas comidas favoritas e rindo da vida

Éramos felizes juntos

Os passeios de carro pela cidade, a exploração urbana, a manifestação romântica e tudo mais que conseguimos vivenciar

Conhecendo juntos as coisas desconhecidas

Era o começo de nossas vidas

Não entendo como tudo se perdeu

A bem da verdade, muitas outras coisas faziam uma balança com o que era bom… e estas, só nos machucava

Dói em mim quando penso nas vezes em que te contava os meus sonhos e tu me respondia com um semblante de que sonhar não iria me levar a lugar algum

Como um adulto que ri de uma criança sonhadora

E em outros momentos tu me elogiava sem cessar, sobre a minha maturidade e como eu te ensinara coisas sem nunca ter tido essa pretenção

E mesmo assim tu me escondeu

Nunca assumiu o meu nome como o teu namorado

Essas coisas acabavam comigo

Mas entendo a sua dor. Sei o quanto tu se escondia também

Juro que queria te libertar

O único jeito foi partir

Hoje olho você sem que tu saiba da minha observação e vejo as mudanças que tu alcançou

Você progrediu

Porém, nunca mais sonhou coisa alguma após a minha partida…

Não entendo como consegue viver sem seus sonhos

Suas missões

Sem vivenciar todos os dias, todas as horas e todos os minutos da sua vida, aquilo que tu realmente ama fazer

Prefere ganhar muito dinheiro

E não vê que a maior fortuna vem após seguir o seu verdadeiro sonho e não trabalhando com aquilo que soa como um horror para ti

Tu se maltrata como nunca antes

Nessas horas eu só lembro das coisas boas que éramos nós dois

Queria te abraçar na expectativa de te trazer força e coragem

Porém eu parti

E outro dia tu negou o meu retorno

Então dessas coisas jamais relutarei. Foram as nossas escolhas

A que me fez ir para longe e a que não me permitiu retornar

Tudo acabou

Os passeios hoje são como velhas lembranças

Vivacidades que faleceram com o tempo

Sem vestígios

Éramos dois

Hoje, é apenas eu e somente você

Lembre-se de respirar quando o mundo estiver caindo novamente

Ainda assim, até hoje, tu foi quem eu consegui amar com toda a minha existência

Nunca mais alcancei tal feito

Você jamais entenderá da dor que foi partir e te deixar

Porém o homem que sou jamais se arrependera

Não por orgulho mas sim por entender do meu próprio destino

Eu precisei desbravar o mundo

Sozinho

Afinal o seu pé no chão jamais te tiraria de sua acomodação própria

Foi assim que tu nunca mais sonhou

E agora morre aos poucos

Tentei te ajudar. Tentei retornar. Mas por escolha sua, a morte que te consome será inevitável por mim

Espero que tu consiga sozinho

Revolucionando

E não mais matando tudo o que é você de verdade

Desse jeito nunca te reconheceram e tu soa como um fantasma sem cor

Nenhum brilho próprio

Tudo escondido dentro de ti

As palavras não ditas ainda estão aí dentro

Até que sumam contigo

Realmente não sei o que dizer

Foi muito forte

Transpasse

Viva

Sem mim

Por favor.

Igor Florim