Eu queria escrever sobre outra coisa

Mas não consigo

Desde a noite em que tu cedera ao meu encanto

Me tornei essa pessoa

O embriagar da tua respiração junto da minha

E eu imaginando você após virar minhas costas e partir

Tu sabe que eu nunca olho para trás

Pois se fizesse, correria contra a maré na expectativa de voltar no tempo

Viver tudo só mais um pouquinho

E aceitar que eu tenho problemas com finalizações

Mas a bem da verdade, estou seguindo os meus dias comigo, tentando me proteger de toda a chuva que cai lá fora e dormindo rapidamente todas as noites

Só para ter mais tempo tentando escrever sobre ti

E encontrar a melodia ideal para essa história

Porém meu peito ainda soa o caos daqui de dentro. Aberto como uma ferida sonora

Como se um cão me mordesse e chacoalhasse sem soltar a mordida

Sangrando minha dor

Rasgando minha alma

Essa fenda é você

E espero que nunca leia essas frases pois o meu amor próprio me protege desse tipo de coisa

Tentando me manter sólido o tempo todo

Invicto de fragilidades

Mas entenda que eu sou tudo isso junto

Essa força que às vezes deixa de tonificar o meu poder próprio e dando vários tapas na minha cara me atira bem no chão

E só nesses momentos, não reluto contra a vida

Fico caído, digerindo todas essas cenas

Boa parte das que vejo como filmes nesses últimos tempos, mostram você

Esse grande protagonista

Na tentativa de me ensinar algo maior

Porém não estou conseguindo transpassar

Fico paralisado vendo o teu rosto

Outras horas analisando as suas dores

E tu fingindo que eu nunca existi para ti

Eu queria te bater com a minha alma

Dar murros em seu rosto

E estragar toda essa beleza que você não vê em ti

Te nocautear para que me note

E apenas diga sim ou não

Mas não tenho mais forças nessa noite para ir atrás de ti

Sigo caído, sem ânimo algum para ativar o meu corpo em deslocamento

E minha mente castigando esse meu ser

Expondo o meu coração humilhado

Nessa bagunça de meu amor com o amor próprio

Tudo isso é você

Que resolveu me ignorar. Talvez por um motivo maior, de repente por não se amar ou preferir que eu passe e tu não se exponha ao risco de doer

Direito seu

Mas eu nunca farei isso

Ignorar

Tu me ensinou muitas coisas

Principalmente àquelas que doem e que não soam palavras. Alguém me diga por que te dei tanta atenção?

Quando no meu peito tudo já está dito

É por isso que eu não me levanto daqui do chão. A minha mente me humilha e meu coração dilata as minhas veias

Talvez eu fique outros anos a partir daqui, bloqueando a minha alma

Devido ao encontro com a tua, também bloqueada

Gritando – “eu não cederei!“

E realmente não cedera

Lá fora a chuva cai

A cidade para

E não consigo mais ajudar ninguém com essa água toda escoendo pelas ruas

Mas no meu rosto não – nenhuma lágrima

Tudo ainda preso aqui dentro

Sem previsão para fluir

Estagnado

Um romântico atrofiando seus próprios contos apaixonados que me faziam suspirar depois de certos versos

Você foi esse suspiro

Mas eu não irei olhar pra trás

Tenho medo de tudo o que não irei ver ao virar para trás mas que idealizo como poucas vezes fiz

É um risco

Então preferi fingir que sigo invicto, forte, íntegro

E que nunca me joguei no chão lembrando de ti

Ou que de repente, eu levantei dessa queda

Porém a bem da verdade, há toda uma ferida neste meu peito

Esse cão me destruiu ao me atacar

Preciso de mais tempo me recuperando dessa fera

Mas ela passou

Ficou meu corpo estirado nesse chão

Caído por ti

E recarregado de sentimentos novos

Afinal você foi essa novidade toda

Mesmo que “nunca saiba” dessas linhas

Quando na verdade, decorou uma por uma

E eu não sei mais como te encontrar

Perdi o controle disso

E te liberto

Foda-se meu peito

Quando eu quiser ele se cura

Lidarei agora com os destroços do temporal que cai lá fora

Não restam muitas coisas

E me cabe apenas recomeçar

Ninguém fará isso por mim

Você passou

A chuva para

Escolha sua

E tu jamais esquecerá daquele que foi embora no mais absoluto silêncio

Por que tu não disse algo?

Agora a chuva passou

E o tempo é outro

Descobrirei os próximos movimentos

Todos eles, contra a sua direção

Numa dança inversa de deslocamento

Essa é a minha vida atual

Solo

Mas seguindo o fluxo que me leva para longe de ti

Eu queria ser a chuva

E me deslocar com mais fluidez

Quem sabe seja esse o meu futuro

Escoar.

Igor Florim