O universo é um reino mágico

Tão maior do que imaginamos

E nesses renascimentos, encontrei um mundo lindo como a terra

Repleto de velhos amigos

Mas uma tristeza é a corrupção daquele lugar

Era a sina do ser que eu sou

Justo num mundo onde não conhecem justiça

Já morri muitas vezes pela minha boca

Gritando verdades universais que os governantes tentam acobertar

Mas sempre irei renascer

Sempre irei falar

E voltarei aqui eternamente até que tudo mude

Nunca temi a morte

Então jamais deixarei de voar

Sou a liberdade que há em mim

E luto pelos que sofrem com a falta disso

Liberdades

É triste o que fazem com as castas indignas

São tratados como os animais do planeta terra

E coitados de ambos

Porém aqui eu nasci numa pobre família

Transeuntes ou nômades

Com suas bicicletas mágicas cheias de muito tecido

Sobrevoando rios

Cortando cidades

Mas com o tempo, nem todos os agregados conseguíam mais voar

A energia vai ficando baixa

Vão perdendo a esperança, se afastando cada vez mais do ser cósmico que são

E praticamente morrem, mesmo que ainda vivos

Não os julgo. Você não sabe como é alucinante sobreviver aqui

Portanto resolvemos nos deslocar pelo chão, pela defesa destes que amamos

Velhos sem poderes e jovens voadores destemidos, enfrentando os governos

Porém houve um próximo pedágio em que eu já não consegui me conter

Cobravam propina ilegal

E eu era um advogado celeste

Cobrando justiça pelos mundos que reencarno

E aos leitores que vinculem isto ao espiritismo, pelo amor de Deus, não estou falando de religião alguma, nunca

O espiritismo começou ontem no planeta terra então pesquise quando essa informação, reencontro ou lucidez surgiu neste mundo em que me leem

E ali coloquei a lei na cara deles, naquele pedágio

Ficaram irritados

Mudos diante de uma pessoa falante

Portanto ilegalmente me deram voz de prisão

Os corruptos só usam as leis quando os favorecem

Tudo aqui está corrompido

Tive que sair voando

Meus amigos e familiares foram mais espertos e sabiam que eu sairia disso

Então quando notaram, eles já estavam bem longe

E eu nos céus

Gritando – adeus, meus amigos

Aquela cena partiu o meu coração

Todos abanando a mão para mim que agora era um foragido da lei

Voei com maestria buscando outras paradas

O mundo contemplava um lindo final de tarde, depois de muita chuva

Do alto, naquele mundo sagrado, observava o chão molhado, o céu iluminado e meu espírito vivaz entendeu que logo eu teria que partir de verdade

Portanto voei, solo, pensando no mundo e em todos aqueles amigos que nunca desistiram da locomoção

E mesmo no pior dos cenários, sempre estão seguindo em frente

Não temem a morte, já que podem morrer a qualquer momento

E virar alimento de famílias ricas

Fiquei pensando nos mais fracos que eles carregavam em suas bicicletas

Minha pura família

Sempre pedalando

E sorrindo

E cantando

Um dia a injustiça dos mundos acabará

Talvez seja tudo criação dos humanos e apenas vivemos na corrupção que plantamos

Mas há quem não mereça nada disso

Seja no mundo que for

As castas mais pobres

Era um planeta de contrastes, mais do mesmo neste universo

Com fronteiras que limitavam os homens pelo dinheiro que possuíam ou não

Neste céu vejo outros mundos

Pena que não posso voar até lá

Dizem que estão todos em guerra

Menos um. Contente com suas grandes luas. Protegido por energia cósmica

Porém por mais que eles tentam ajudar o povo das outras esferas, eles nada podem fazer

Tudo é opção nossa

A soberania de cada mundo

O livre-arbítrio de cada povo

Insistindo na dor

Ou se libertando na felicidade plena

Temos muito o que aprender

Porém neste voo, lembro de tudo o que vivi até aqui

Meu peito parece uma explosão contida

Podem atirar em mim por esses céus a qualquer momento

Mas eu não vou desistir, vocês sabem disso

Logo a noite cai e eu encontro um templo abandonado nas montanhas

Guardarei todos os meus objetos para que meus parentes e amigos encontrem um dia

E voarei o mais leve possível

E se um dia eu conseguir um capacete de respiração, juro que atravesso a atmosfera e me jogo no espaço sideral

Rumo ao planeta feliz

Queria levar os meus amigos e parentes

Mas já morri muitas vezes por sair voando e levando todos eles nas minhas costas

Ia perdendo altura devido ao sobrepeso

Até que todos nós fossemos mortos pelos assassinos corruptos daqui

E um dia tudo será diferente

Mas acho que depois dessa vida, precisarei encontrar um mundo de maior calma

Não quero morrer outra vez em vão

Sou a justiça quando estou vivo

E irei de mundo em mundo, libertando todas as almas que alçarem voo comigo

Esta é a minha magia

Este é o libertário que eu sou

Voando alto

E sentindo a dor da despedida

Eles são boas e corajosas almas

E eu ainda voltarei para resgata-los

Tenho todo o tempo do mundo

E o guerreiro que eu sou nunca irá desistir da vida ou da minha essência

Livre

Sagaz

Voador.

Igor Florim