Fale comigo

Você que grita, chora, dança – fale comigo

A corrida é na Gastão Vidigal

Alguns pássaros acompanham

Mais passos em maratona

Um dia a gente chega

E esse suor todo pelo corpo

Acho que o clima é tropical

Enquanto a gente corre, cante. Cante comigo

Tu negou todos os meus sinais de aproximação

Apenas absorveu para si e jamais reproduzira

Então me resta esquecer a sua partida

Me dedicar ao dedicável

Olha só essa vida que nós exalamos aqui, e você longe, apagado

Estamos vivos com muita força

É uma manifestação essa arte que eu proponho

Em êxtase os pássaros pedem o nosso voo

Precisamos alçar

Alçar voo

Gritei pela última vez o seu nome e quando olhei para trás você já não estava mais por perto

Foi o momento da decolagem

Leve

Subi tanto

Não sei onde estou

Os pássaros sumiram

O mundo está em branco como uma contínua luz branca

O vazio universal

É tudo o que eu sou

Livre

Novamente anônimo

Fiz de tudo para te levantar comigo

Mas essa obrigação nunca foi minha

Então usarei a minha voz para entoar os meus hinos

Sem chamamentos ignorados

Apenas o meu canto

A lua é um farol enquanto eu danço

Essa luminosidade toda, esse clima de vazio

Porém o vazio é a mais complexa possibilidade

O momento que antecede qualquer coisa

A linha que não foi escrita

O branco intocável da neve

E eu admirando a próxima perdição

Encantado com o seu ser luminoso

Sou um cara leal e bem charmoso quando voo

E quem sabe um dia eu perceba que estou dentro de um filme

Vazio

Claro

Vago

Talvez eu escreva essa trilogia

Não sei como parar de voar

Não tem graça essa quantidade de brancos aqui no alto

Queremos todas as cores

E que as mais esquecidas ocupem esse céu todo, por muito mais tempo do que qualquer outro já ocupou

Já me cansei de despedidas. Quero agora a ascensão dos menos ricos.

Igor Florim