Já não lembro da sensação de pisar em terras firmes

Pensamos que encontraríamos ilhas pequenas ou grandes terras com uma certa facilidade mas até hoje nunca encontramos nada

Então confirmo neste escrito para que se noticie em todos os jornais quando regressarmos: o oceano é infinito

Não paramos de remar um só segundo

E quanto mais avançamos, mais gritamos para nós mesmos: remem, marinheiros! Remem para frente!

Um dia desses houve uma confusão a bordo

O capitão continua muito manso

Os marujos dizem que precisamos de um capitão mais intenso

Porém não contem comigo para entregar a cabeça de ninguém

É engraçado

Todos esses homens

São tão ignorantes por pura cultura social mas espertos o bastante para não sujarem suas próprias mãos

Vocês me conhecem, eu gritei muito forte naquele dia

Todos ficaram em silêncio pensando nas palavras ditas

Até que um marujo resolveu sujar sua própria farda

Arrastou o capitão pelos cabelos, esfaqueou o seu peito e jogou o pobre homem esfaqueado ao mar

Seu corpo ao léu

Todos ficaram em silêncio

Até que tudo piorou

Afinal, quem é o novo capitão?

Estamos desgovernados neste oceano, um verdadeiro salve-se quem puder

Quando notaram eu já estava pilotando o navio

Alguém precisava fazer alguma coisa

Jamais fui questionado

Porém estamos seguindo em frente há muito tempo

Desconfio que não tem fim. Estas águas todas, elas não acabam

O nosso mundo está há meses de distância daqui

Alguma hora precisaremos voltar

E essas águas agitadas

O clima sempre nada leve

Tome cuidado ao pegar responsabilidades para si

Darei minha vida em nome deste navio e digo que não iremos parar

Sempre em frente

Enfrente essa maré toda

Somos nós a nação que embarcou para navegar com suas correntes de marujo, crentes de que tudo duraria pouco tempo

Mas quanto mais remamos mais sorrimos entre a gente

Só há a paz quando remamos

E jamais fizemos diferente

Reme

Reme sempre para frente

Nossos braços já potentes só aumentam de tamanho

E nós gritando: estamos aqui, oceano! Fale com a gente!

Este é o verdadeiro renascimento

A busca pelo novo mundo

Só quem nunca para de remar é que me entende

Irei cantar velejando, cantando aos oceanos: só um pouco, note a gente.

Igor Florim