Quando eu me perdi, na verdade encontrava uma praia boa

Repleta de sol e uma longa areia para correr e cantar

Dizem que sucumbi ao caos nessa perdição toda, porém a bem da verdade encontrei novas coisas

Logo eu, que sempre quis ser quem sou

Um poeta trovador, cantando tudo isso para uma plateia, cantam meus versos, duvidam do que eu falo

Porém se eu fosse Deus não entoaria a minha voz como um incrível diabo

Sei bem o que eu canto e muito mais o que eu faço, fui andando para frente, percorrendo a praia toda

Logo eu desabo na minha rima tonta mas vocês sabem que eu nunca paro

Foi assim que ele me achou

Em movimento

Todo tímido perguntando o meu nome, de onde eu sou, se eu tenho fogo e eu sorrindo acendo o cigarro do meu novo amigo, nesse momento isso é tudo o que eu sou

Problemas zerados, o vento do mar bem gelado refrescando o meu pulmão, ele olhando pros meus olhos tão sério como se seu foco total fosse apenas me olhar

Compreender o que eu falo

Às vezes sou grosso

Áspero como um forte cavalo

Correndo pela praia, gargalhando com meu novo amigo homem

Hoje eu sou o diabo, iluminando esse mar

É uma arte isso de andar na lama e não sujar as vestes

E ele nada desconfiado, só confiante em mim e no ser falante que sou

Gritando para o oceano, eu vou partir! – Não importa pra onde eu vá, sempre voltarei para navegar, é por isso que eu ainda vivo

O oceano é meu amigo

Sentamos na areia, rimos desse domingo todo, não aguentamos mais viver só bem pouco

Aquela liberdade toda do passado

Esse é o convite do estranho que chegou ao meu lado, viver tão livre

Não sei de onde tu veio mas aceito partir contigo

Rir de tudo isso

Eu te conheço e tu é o meu bom amigo

Uma grande onda nos levou

Estamos nadando, peixes gelados passam do meu lado, encostam em mim quando eu nado

Estou indo embora

Bem fundo nesse mar

Meu amigo agora me namora

E juntos não conseguimos nos afogar, aquele deslizamento todo, a água percorrendo o nosso corpo

Quase não fazemos esforço

É só o deslocar

Esse mar tem suas trilhas submersas e um bom diabo como eu, não vive com pressa, quer explorar

Amanhã quando o dia nascer estaremos bem longe

Quem sabe um outro mar

É assim que eu não me afogo

Respirando sem parar.

Igor Florim