Talvez o mundo ao seu redor seja desanimador contigo

E você desejando a total compreensão mas sem notar o mundo totalmente incompreendido

Hoje eu vim pra casa mais cedo

Vou me encontrar com o meu amigo

Ele anda perdido, triste, comendo pouco, enfrentando a crise

Eu admiro quem se revoluciona

O sol deixou de iluminar ainda era de tarde

Um temporal maluco ocupou todo o meu lar

Há muito tempo não fazia esse tipo de frio por aqui

Peguei o meu carro mas antes de busca-lo ele me ligou para cancelar a noite

Uns parentes chegaram na sua casa em uma visita ocasional

Não sei se acredito

Quando eu olhar nos seus olhos saberei de toda a verdade

Eu queria ajudar esse meu amigo

Mas ele faz tudo de uma forma em que eu jamais me aproximo

Um lobo solitário me espionando

Sem nenhum plano. Apenas existindo. Esse é o meu amigo

Por dentro, eu como um jaguar tentei inúmeras vezes arrasta-lo comigo

Fugir em companhia

Clarear a nossa vida

Mas atualmente sigo sozinho e feliz ou infelizmente eu não posso parar

Acelerei o meu carro para uma outra via

Essa noite está apenas começando

Do lado de fora uns relâmpagos iluminam minha vida

E eu acelerando

Note aquele clarão no alto do morro, quantas saudades desse tipo de passeio

Eu que passei tanto tempo em casa durante esse caos coronado no mundo

Mas acho que tudo acaba

Até essa ou outra pandemia, um dia acaba

Estacionei o meu carro e vim andando para o pico do morro da cidade

Tirei os meus tênis e pisei na grama

Esse é o lugar onde ninguém reclama de coisa alguma

Tirei a minha blusa

Esse frio batendo nas minhas costas

Eu me fechando

Tirei as calças

Não tirei as cuecas

Deitei na grama

Em cinco minutos eu levantei pois a enorme chuva me encontrara

Fiquei todo molhado

Entrei no meu carro tremendo e molhando tudo

Acelerei rumo ao fim do mundo

Estou cansado de amigos que ficam pelo caminho

Tantas vagas no meu carro e eles lá, sozinhos

Essa é uma das coisas que eu gostaria de mudar no mundo

Já não vejo a estrada, já não vejo mais nada

Nos meus ouvidos raios e travões tentam mas não falam nada

O barulho denso da chuva que cai

E eu em transe ao volante, sem dominar nenhum dos meus sentidos

O planeta terra venceu, estamos todos ilhados agora

Era isso que muitos queriam

Logo no Brasil, que nunca foi uma ilha

Mas ainda é cedo para falarmos disso. Sigo molhado acelerando, tentando chegar em casa

Eu não sei onde eu vou parar.

Igor Florim