Talvez a gente fique aqui a noite toda

Olhando para a lua escondida entre os galhos

Sentindo esse frio mas bem quentinho do seu lado

Semana que vem eu me mudo de cidade mas sinto como se algumas coisas nunca fossem mudar

Essa brisa lunar, seu beijo e seu amor quase me faz afogar

Eu queria ser tudo o que eu sou mas desse jeito não funciona

Porém o tempo faz isso, até essa árvore se transformou falando nisso

Note bem o seu tamanho

O tempo edifica todas as grandes alturas

O que eu vim te falar ao luar?

Tu sabe que em muitas coisas eu não me acanho

Vim falar que ainda te amo

Que lembro bem do seu sorriso, do seu olhar me encarando um pouco tímido

Daqueles toques, do beijo lento, você com frio no meio da noite e eu com o meu corpo em ti

Tudo isso te dizendo que é assim que eu te esquento

Quando você já estava quente eu só abandonei meu corpo do seu lado, olhando profundo nos seus olhos

Imóveis, sem falar e você entendendo tudo o que eu faço

Talvez estejamos anos distantes desses momentos

Como se o relógio me dissesse – Tu se atrasou pra esse luar

Outros meses correndo, há alguns anos eu vivo com o coração sofrendo e nem por isso desisti de te ligar

Era como se eu precisasse te ajudar em algo

Igual naquela madrugada que você tremia de frio

Meu bem, o tempo passou

Aqueles encantos amorosos, as surpresas enamoradas, tudo isso passou

Em mim sempre viverá tudo aquilo que passamos

As palavras nunca ditas

Os avisos sempre ignorados

O nosso amar nunca mais será entre nós dois, lado a lado

Uma mensagem nunca respondida, agressões verbais sempre ditas

Nessa noite eu passei frio

Ninguém me esquentou

Fiquei imóvel e parei até de tremer, apenas pensando…

Lembrei de um dia quente e de nós dois naquele rio

Aquela água igualmente gelada

Eu te roubando um beijo

Pulando a cerca, seguindo a trilha das vacas

Indo nadar naquela piscina

Foi muito bom viver com você do meu lado

Porém, sorte a minha que acabou

É ruim demais não ser amado

Resolvi então me entregar ao meu caminho, me amar, não me sentir sozinho

Anos se passaram e recebi a sua mensagem dizendo que “pensei que você um dia fosse me ligar”

Logo eu, que tanto te liguei

Nota agora?

Sem a minha insistência em te amar, propor aventuras, surpresas, ligações

Sem essa insistência nada mais conseguiu prosperar

Talvez o amor seja um equilíbrio recíproco e nada mais

Agora não temos mais nada para dizer

As palavras quebradas

Seu amor que não me diz mais nada

E todas aquelas lembranças

A árvore alta

A grama que esquentava a nossa alma

Eu virei a página e não espere encontrar em mim coisas desse amor antigo

Os anos se passaram, você sumiu por tanto tempo e agora aquele amor já não me diz mais nada

É disso que eu falo.

Igor Florim